De olho nos editais

Cartas marcadas? Mesmo sabendo que existem, sempre vale a pena tentar. Exatamente o porquê eu não sei. Para sentir a alegria do blá-blá-blá, talvez. Os acadêmicos ainda podem colocar uma nota no curriculo Lattes, que tem de tudo, que cabe um tudo, e que conta cada espirro que a gente dá. Fico cá pensado se coloco um item sobre a geladeira da brastemp que ganhei num desses concursos de frases, e o curso no Festival da Mantiqueira, dos pequenos concursos escolares, aquele da Associação Nacional de Jornais, um papelzinho: parabéns, seu texto está entre os 50 melhores. Hein? Que coisa estranha. Receber uma carta dessas causa certa frustração, muitos avos por fração. E quem é que vive com dúvidas de uma distância numérica tão grande? Descobri que eu precisava de um portfólio literário, mesmo não o tendo, para conseguir editais, prêmios e concursos. Também não tenho graduação em letras, nem em comunição, nem em qualquer área correlata. Treinamento em Esportes, bacharelado mesmo, nada de licenciatura. Corpo, quadra, bola. Lígua que gerencia corpo, quadra, bola. Letra que constituem frases: estas pernas rápidas e ágeis, estes braços longos, este arremesso preciso. Tem tudo a ver. Fonema e corpo, mas muitos não se dão conta, preferem a dicotomia. Corpo-corpo, mente-mente. Talvez isso não tenha nada a ver, mas foi na intersecção que construí meu portfólio literário, mesmo sem tê-lo. Mas era preciso criar ações com resultados rápidos para, então, tê-lo. E surgiram projetos, mais corpo-a-corpo literário do que papel e computador. O livro de crônicas espiralado de textos juntados escritos pra cá, pra acolá, num vai-vem. 65 folhas em A4, TNR, espaçamento 1,5. Algo me dizia: curto para um concurso, textos desconexos que precisam de alinhavo. Talvez mais umas 10 crônicas, quem sabe, um pouco mais do tempo que não existia. Prazos. Apenas uma arrumação para um leve alinhavar, constituir uma unidade, um todo para um pequeno volume, um ok para um adiamento caso não fosse possível naquela tentativa qualquer láurea. Já me contentaria com uma mensão honrosa. Depois, ações em prol da literatura, coisas de quem sempre foi professor ou de quem sempre olhou pro lado da formação, do estímulo, da vontade que, de mim se ajunta aos outros, um todo. E em pouco tempo, um portfolio literário.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
Ads Top